Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #6

Confira nesta série as dicas da nutricionista Claudia Ruiz Santana, responsável pela Oficina de Nutrição da Lareira Instituição. Você também pode participar desta e de outras oficinas, gratuitamente! Acesse o site da Lareira e informe-se!

Esta é a 6ª e última parte da série de seis artigos sobre o tema.

A educação alimentar é uma das principais ferramentas para entrar em forma, e a mudança de hábito começa dentro de casa.

Temos aqui erros bastante comuns na alimentação do brasileiro, com orientações simples de como evitar estes hábitos. E é nas pequenas mudanças que o excesso de peso e as doenças ligadas a ele vão diminuindo

Substituir alimentação por álcool –Nos fins de semana é comum as pessoas abusarem no álcool, e, muitas vezes, acabam até mesmo se esquecendo de comer. Além disso, deixam de lado a disciplina seguida durante a semana e não contam as calorias do que estão bebendo. Um chope de 300ml tem em media 120 calorias. Se tomar 10 chopes, vai ingerir 1200 calorias. O álcool se transforma em gordura e aumenta o triglicérides.

Comer muito doce antes de dormir –Muita gente aproveita a calada da noite para cometer aquele bom e velho pecado de abusar dos doces. Comer muito doce antes de dormir é ruim porque seu metabolismo está mais lento, e este doce pode virar facilmente gordura. Para quem não abre mão do doce, procure comer um pouco durante o dia ou após a atividade física.

Não tomar leite ou derivados –Quem não costuma incluir este tipo de alimento no cardápio pode ter uma deficiência em cálcio – exceto àqueles que têm intolerância à lactose ou que são muito alérgicos. A deficiência em cálcio pode ser altamente prejudicial para a saúde, ele é um mineral ótimo para quem tem diabetes, pois absorve melhor as fibras. Mas não tome durante as refeições.

Fazer dieta na semana e exagerar no fim de semana –Para quem pensa que exagerar só no fim de semana não vai comprometer a dieta, uma má notícia: compromete sim. Mas abandonar a vida social também não é o melhor caminho. Para resolver o impasse, o segredo é nunca ir para o local com fome. Faça um lanche rápido antes de ir para uma festa ou evento, assim, quando chegar lá, vai conseguir comer uma quantidade equilibrada.

Usar o micro-ondas para esquentar tudo –Leite, pizza, comida, sopa. Na hora da pressa, tudo vai parar dentro do micro-ondas . Mas o micro-ondas pode levar à perda de alguns nutrientes. O ideal é esquentar na panela, sempre que possível, e usar o micro-ondas como emergência.

Fontes:  Terra Eufic, Minha Vida

Artigos da Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO:

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #1

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #2

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #3

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #4

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #5

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #6

Anúncios

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #5

Confira nesta série as dicas da nutricionista Claudia Ruiz Santana, responsável pela Oficina de Nutrição da Lareira Instituição. Você também pode participar desta e de outras oficinas, gratuitamente! Acesse o site da Lareira e informe-se!

Esta é a 5ª parte da série de seis artigos sobre o tema.

A educação alimentar é uma das principais ferramentas para entrar em forma, e a mudança de hábito começa dentro de casa.

coxinhaTemos aqui erros bastante comuns na alimentação do brasileiro, com orientações simples de como evitar estes hábitos. E é nas pequenas mudanças que o excesso de peso e as doenças ligadas a ele vão diminuindo.

Excesso de açúcar e de salEstes são alguns dos maiores vilões da alimentação. Além de aumentar o peso, o açúcar acaba aumentando o triglicérides. O ideal é substituir por adoçantes naturais, açúcar mascavo, demerara ou mel. Já o sal em excesso  incentiva a pressão alta e os problemas cardiovasculares, além de contribuir para a retenção de líquido. Substitua por temperos naturais e coloque o sal apenas no momento da refeição; 2g por dia é o suficiente.

Trocar o almoço ou o jantar, todos os dias, por lancheMuitos lanches são ricos em gordura, mas mesmo os lanches naturais não devem ser consumidos todos os dias como substituição a uma refeição. O lanche natural de vez em quando tudo bem, mas pode ser que faltem muitos nutrientes. Deve-se variar o cardápio.

Comer comida guardada há dias na geladeira –Muitas vezes não há tempo para se fazer comida fresca todos os dias, mas a comida guardada há dias na geladeira pode estragar por aumentar a proliferação de bactérias, fazendo mal à saúde e levando a quadros de vômitos e diarreia. A comida que sobra deve ser guardada bem tampada, em recipiente de vidro, por até dois dias na geladeira. Caso não vá usar um alimento por mais tempo, congele-o.

Fazer apenas três refeições diárias –A indicação é que sejam feitas pelo menos cinco a seis refeições ao dia. A omissão de refeições está diretamente relacionada à obesidade. Entre as refeições principais, frutas, iogurte, biscoitos ou barra de cereais são opções para diminuir o buraco no estômago. Se a pessoa vai almoçar com essa sensação de fome a chance de errar é imensamente maior, porque não vai fazer as escolhas pelo racional, e sim pelo emocional.

Excesso de adoçanteEmbora o açúcar não seja o melhor amigo da saúde, o excesso de adoçante é muito pior. O adoçante mais consumido é derivado de petróleo, podendo causar danos para a saúde, além de diversas contraindicações, já mostradas em aulas anteriores.

Comer alimentos fritos em óleo velhoQuando a fome aperta, até aquela coxinha do local menos confiável em termos de higiene parece algo atraente. Mas se fritura já faz mal, fritura em óleo velho é pior ainda para a saúde. Aquele óleo velho, que ficou um bom tempo em alta temperatura, oxida e transforma-se em um óleo com substancias maléficas, que podem levar ao aparecimento de câncer, como vimos em aula anterior.

Tomar suplementos alimentares aleatoriamente – Os suplementos alimentares são uma proposta tentadora e parecem suprir qualquer deficiência na alimentação. Mas um suplemento que tem um nutriente em uma concentração que não é a mais indicada, pode até obter o efeito contrário, com a ausência de alguns outros nutrientes indispensáveis.

Fontes:  Terra Eufic, Minha Vida

Artigos da Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO:

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #1

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #2

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #3

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #4

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #5

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #6

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #4

Confira nesta série as dicas da nutricionista Claudia Ruiz Santana, responsável pela Oficina de Nutrição da Lareira Instituição. Você também pode participar desta e de outras oficinas, gratuitamente! Acesse o site da Lareira e informe-se!

Esta é a 4ª parte da série de seis artigos sobre o tema.

A educação alimentar é uma das principais ferramentas para entrar em forma, e a mudança de hábito começa dentro de casa.

hommerTemos aqui erros bastante comuns na alimentação do brasileiro, com orientações simples de como evitar estes hábitos. E é nas pequenas mudanças que o excesso de peso e as doenças ligadas a ele vão diminuindo.

Comer um doce no lugar de uma refeição –Consumir carboidratos simples libera açúcar no sangue muito rápido. Além do aumento de peso, ele pode gerar picos de glicemia altos, gerando mal estar.

Exagerar nos alimentos light –Muita gente se joga nos alimentos light sem ler a tabela nutricional do rótulo. O principal problema dos alimentos light é a quantidade de sódio. Sempre olhe no rótulo e veja se o sódio é menor do que 100 mg. O sódio traz retenção de líquidos, aumento de pressão, etc.

Dieta da sopa –Quem quer emagrecer rapidamente muitas vezes acaba cortando  os alimentos sólidos. Se você comer só sopa, não está trabalhando a mastigação, que é o momento em que o corpo libera uma série de substâncias e enzimas importantes e manda a mensagem para o cérebro da saciedade. Outro problema é a dificuldade de manter esse padrão de alimentação em longo prazo. Uma dieta restritiva faz com que a pessoa volte fazer tudo errado e até pior. Para quem gosta de tomar uma sopinha a noite, é importante que a sopa tenha um pouco de consistência, com flocos de aveia, arroz integral, além de legumes e folhas.

Comer muita carne vermelha –Comer carne vermelha em excesso também é um erro comum. A carne vermelha possui gordura saturada, isso faz com que o organismo aumente as taxas de colesterol e gera doenças cardiovasculares com o entupimento de veias. O ideal é consumir carnes magras de 2 a 3 vezes na semana.

Excluir radicalmente a carne vermelha do cardápio –Para quem não é chegado em carne vermelha ou é vegetariano, a atenção ao cardápio deve ser redobrada. A principal preocupação em não ingerir carne vermelha é não suprir a quantidade de minerais necessários para o organismo.

Comer massa no almoço todos os dias –Um prato só de macarrão deixa de ter as fibras e minerais de um prato mais variado. Além disso, pode ser bem mais calórico, dependendo do molho. É um prato rico em amido, que é um carboidrato que nos dá milhares de moléculas de glicose, representando um risco real de, no futuro, ter problemas como diabetes.

Não variar nos legumes no prato –Uma alimentação rica em nutrientes é uma alimentação colorida. Quanto mais colorido, mais antioxidantes ele tem. O prato ideal deve ter cinco cores diferentes.

Não comer frutas Desde crianças, ouvimos que as frutas são ricas em fibras e vitaminas. Só que no dia-a-dia nem sempre conseguimos inclui-las na alimentação. As frutas deixam o organismo forte e resistente. As fibras o deixam em equilíbrio, filtrando as toxinas e garantindo seu bom funcionamento.

Tomar leite durante ou logo depois da refeição –Este é um hábito muito comum. Algumas pessoas costumam tomar um café com leite ou cappuccino logo após a refeição. Este é um hábito ruim pois o cálcio do leite compete com o ferro o mesmo canal de absorção. Isso vale também para sobremesas ricas em leite. Se você almoça e logo depois toma leite, gera essa competição e isso pode ocasionar uma perda de ferro.

Colocar catchup e mostarda em tudo –Catchup e mostarda possuem diversas substâncias artificiais, que podem ser tóxicas para nosso organismo e inclusive desencadear algum processo alérgico. Use pouca quantidade e, se possível, use algo mais natural, como um molho de tomate.

Comer sobremesa todos os dias –Comer uma porção pequena de doce por dia é algo tolerável. Como alternativa, há alimentos que saciam a vontade de doce. Chocolate com 70% cacau, mousse de frutas com iogurte, picolé de frutas, banana com canela ou sorvetes de iogurte.

Procure comer comida “de verdade”- Como vimos em aula anterior, a vida moderna e corrida impõe às pessoas o “comer fácil e prático” ao invés de “comer bem e saudável”. SE possível FAÇA sua comida, com o mínimo de produtos industrializados ou processados. E com o máximo de calma e proveito. É um verdadeiro desafio. Mas os resultados são muito compensadores.

Fontes:  Terra Eufic, Minha Vida

Artigos da Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO:

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #1

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #2

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #3

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #4

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #5

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #6

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #3

Confira nesta série as dicas da nutricionista Claudia Ruiz Santana, responsável pela Oficina de Nutrição da Lareira Instituição. Você também pode participar desta e de outras oficinas, gratuitamente! Acesse o site da Lareira e informe-se!

Esta é a 3ª parte da série de seis artigos sobre o tema.

A educação alimentar é uma das principais ferramentas para entrar em forma, e a mudança de hábito começa dentro de casa.

mesa fartaTemos aqui erros bastante comuns na alimentação do brasileiro, com orientações simples de como evitar estes hábitos. E é nas pequenas mudanças que o excesso de peso e as doenças ligadas a ele vão diminuindo.

Tomar muito chá verde com o objetivo de emagrecer – O chá verde tem sim seus benefícios. Ele possui o epigalato 3, uma sustância que tem uma ação termogênica, ou seja, acelera o metabolismo. Mas a quantidade é pequena, varia entre 5% e 10%. O que significa que tomar chá verde o dia todo não é a solução para o emagrecimento. Além disso, ele tem seus contras. Ele tem alto teor de cafeína, então, quando é ingerido logo após as refeições, acaba comprometendo a absorção de micronutrientes como ferro e cálcio.

Mistureba no prato – Quem nunca cometeu exageros na hora da fome no restaurante por quilo? Basta dar uma olhadinha nos pratos mais lotados para se comprovar a presença de arroz, macarrão, comida japonesa, feijoada e muitas outras combinações estranhas. A prática é um erro. O ideal é consumir um grupo de alimentos a cada refeição. A mistura de grupos deixa o prato pouco saudável e mais calórico.

Se segurar o dia todo e compensar na “gula” à noite –Este é um péssimo hábito, especialmente porque à noite o metabolismo fica mais lento. É o momento do dia em que você tem que comer menos, porque não vai ter um gasto de energia considerável e seu corpo esta se preparando pra descansar. Além disso, o fato de comer muito pode causar insônia e pesadelos.

Misturar dois carboidratos no prato –Apesar de esta combinação ser uma das grandes vilãs das dietas, a mistura pode ser feita desde que as porções sejam divididas de forma que somem uma porção. Se for comer purê de batatas, coma apenas duas colheres de sopa, com duas de arroz.

Almoçar ou jantar cada dia em um horárioPara quem tem rotina, fica fácil se organizar para fazer as refeições todos os dias no mesmo horário. Mas para quem tem um trabalho  mais atípico isso já fica mais difícil. O maior problema nesse sentido é o período de jejum que se forma. As pessoas acabam comendo muito mais do que deveriam e fica aquele sentimento de “posso tudo porque fiquei o dia todo sem comer”. Se a pessoa não consegue colocar uma rotina, o ideal é fazer um lanche ou algo do tipo. O fato de ficar muito tempo sem comer também contribui para a perda da massa muscular. Quando você não dá energia para o corpo, ele busca da reserva.

Fontes:  Terra Eufic, Minha Vida

Artigos da Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO:

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #1

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #2

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #3

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #4

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #5

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #6

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #2

Confira nesta série as dicas da nutricionista Claudia Ruiz Santana, responsável pela Oficina de Nutrição da Lareira Instituição. Você também pode participar desta e de outras oficinas, gratuitamente! Acesse o site da Lareira e informe-se!

Esta é a 2ª parte da série de seis artigos sobre o tema.

A educação alimentar é uma das principais ferramentas para entrar em forma, e a mudança de hábito começa dentro de casa.

refrigeranteTemos aqui erros bastante comuns na alimentação do brasileiro, com orientações simples de como evitar estes hábitos. E é nas pequenas mudanças que o excesso de peso e as doenças ligadas a ele vão diminuindo.

Não mastigar bem – Comer rápido é uma característica do mundo moderno e, às vezes, para ganhar alguns minutos, muita gente mal sente o gosto da comida. Não mastigar os alimentos leva a um processo de má digestão e ainda a um maior consumo de calorias, já que a sensação de saciedade leva de 15 a 20 minutos para acontecer. O ideal é mastigar o alimento até que ele fique sem grandes pedaços sólidos. Descanse o talher no prato, se necessário, para ajudar neste processo, coma em pratos pequenos e com talheres pequenos. Procure demorar uns 20 minutos ou mais para fazer sua refeição.

Tomar muito refrigerante –O refrigerante não só contribui com o aumento de peso pela quantidade açúcar, como também pode trazer outros problemas. Os lights e diet podem ser prejudiciais pelo excesso de adoçantes. SE FIZER QUESTÃO, deixar para consumir aos finais de semana de maneira controlada ou substituir por sucos naturais sem açúcar.

Tomar líquido na hora da comida –Um copo de 200 a 250 ml durante a refeição não vai atrapalhar em nada. O problema é que as pessoas tomam muito durante a refeição e, se exceder, isso pode atrapalhar na absorção dos nutrientes. No caso de idosos, que têm a diminuição de secreções, como a saliva, além de dificuldade na mastigação, o líquido é um aliado, mas sempre respeitando os limites de quantidade.

Não tomar água –Corpo desidratado pode gerar um envelhecimento precoce e danos nas células, causando um desequilíbrio no organismo. A água é responsável por funções metabólicas em diversas sínteses do organismo.

Beber líquido em excesso –Pecar pelo excesso pode comprometer o processo de digestão. A água é o nutriente mais importante do organismo, porque toda reação química depende de água. A boa ingestão de água ao longo do dia faz com que você segure um pouco a alimentação. A ideia é chegar aos 2 litros por dia, considerando líquidos em geral.

Beliscar o dia todo –O hábito de beliscar é um problema para muita gente. O ato pode  virar uma constante e trazer diversos problemas. Beliscar alimentos calóricos pode gerar um aumento de peso e a compulsão alimentar.

Comer em grande quantidade –Para garantir a boa forma não é preciso parar de comer, mas  fazer escolhas inteligentes e ter bom senso na hora de montar um prato. O ideal é fracionar as refeições. Quando consumimos muitas calorias de uma só vez, a chance de  excessos é grande e isso faz com que o organismo estoque em forma de gordura.

Fontes:  Terra Eufic, Minha Vida  

Artigos da Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO:

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #1

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #2

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #3

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #4

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #5

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #6

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #1

Confira nesta série as dicas da nutricionista Claudia Ruiz Santana, responsável pela Oficina de Nutrição da Lareira Instituição. Você também pode participar desta e de outras oficinas, gratuitamente! Acesse o site da Lareira e informe-se! 

Esta é a 1ª parte da série de seis artigos sobre o tema.

A educação alimentar é uma das principais ferramentas para entrar em forma, e a mudança de hábito começa dentro de casa.

horario para comerTemos aqui  erros bastante comuns na alimentação do brasileiro, com orientações simples de como evitar estes hábitos. E é nas pequenas mudanças que o excesso de peso e as doenças ligadas a ele vão diminuindo.

Não tomar café da manhã -Algumas pessoas não têm tempo para tomar o café da manhã, outras, simplesmente não têm fome. Depois de um jejum de, no mínimo, seis horas, o corpo precisa de energia para seguir suas atividades. A primeira refeição do dia é essencial. Damos energia para que o corpo possa funcionar e evitamos quadros de hipoglicemia e mal estar.

Tomar muito café ao longo do dia -Um cafezinho fresco é algo irresistível para boa parte dos brasileiros; ele quebra a rotina e representa uma pausa agradável entre as tarefes do dia. O café é bom para o coração, é energético, porém, tem cafeína, que em excesso pode fazer mal para o organismo, principalmente para quem tem histórico de pressão alta. 4 xícaras pequenas por dia é a dose recomendada.

Cortar o carboidrato radicalmente da alimentação -Essa é uma técnica que algumas pessoas usam para emagrecer. A primeira resposta do corpo é mesmo o emagrecimento. Mas depois de certo tempo, a falta de carboidrato pode causar uma fadiga grande, a pessoa vai ficar sem energia, apática, cansada, queda de cabelo, enfraquecimento das unhas e mau humor. O ideal é incluir carboidrato em todas as refeições, de maneira equilibrada.

Pular refeições – Com a correria do dia a dia, pular uma refeição acaba sendo um erro bastante comum. Devemos comer de três em três horas para fazer com que o organismo entenda que ele não vai ficar sem energia. Assim, evitamos com que ele armazene em forma de gordura ao invés de queimar.

Não comer verduras e legumes -O fato de não inserir legumes e verduras é prejudicial porque o corpo terá uma menor ingestão de fibras. As fibras ajudam com a sensação de saciedade. Se a pessoa não ingere fibras, vai acabar comendo outras coisas que não deveria. Além disso, controlam o colesterol, a glicose  e funcionam como um fator protetor. O ideal é que o hábito seja incentivado sempre, mas, caso isso não seja possível, uma dica é incluir mais opções no prato gradativamente, até identificar os legumes e verduras de preferência.

Fontes:  Terra Eufic, Minha Vida

Artigos da Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO:

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #1

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #2

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #3

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #4

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #5

Série ERROS COMUNS NA ALIMENTAÇÃO #6

Alimento em pó que pode acabar com a fome e o desperdício de comida no mundo

De acordo com pesquisas,a fome poderia deixar de existir se alimentos como frutas e vegetais, com validade próxima ao vencimento, passassem por uma etapa de secagem e fossem processados até virar pó, retendo até 80% dos nutrientes e prolongando a vida útil dos alimentos por até dois anos.

A ideia é uma resposta ao consumo irracional de alimentos, que quando vencidos são jogados fora. Estima-se que anualmente 1.760 milhões de toneladas de alimentos são descartados; o equivalente a 750 bilhões de dólares, em termos de perdas econômicas, de acordo com a Organização das Nações Unidas da Alimentação e Agricultura (FAO).

O projeto é da FoPo, e será introduzido primeiramente nas Filipinas com o apoio do governo local e da Organização das Nações Unidas para Alimentação e da FAO. A FoPo disponibilizará “pós alimentares” nos sabores abacaxi, banana, framboesa e manga, que podem ser consumidos como complementos nutricionais e como ingrediente para receitas como bolos, iogurtes e sorvetes.

Fonte