Meditação faz bem para a terceira idade

Com a chegada da terceira idade, é comum que alguns problemas de saúde comecem a aparecer ou, caso já existam, exigir mais atenção e cuidados. Embora a indústria farmacêutica ofereça muitos produtos, a meditação pode ser uma poderosa medicina alternativa para os idosos.

Segundo pesquisas realizadas pelo Setor de Estudos do Envelhecimento da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a meditação faz bem para a saúde, diminuindo consideravelmente doenças crônicas como hipertensão, diabetes e depressão.

O estudo foi feito com 140 idosos paulistanos e cerca de 60% deles sentiram os benefícios da meditação praticando o exercício duas vezes por semana, em períodos de 20 minutos, durante dois meses. Além da melhora das doenças crônicas, a atividade ajuda reduzir o estresse, fortalece o sistema imunológico e também o nervoso.

Fonte

Anúncios

LONGEVIDADE: MEDITAÇÃO COMBATE A SOLIDÃO NO IDOSO

As pessoas idosas sofrem com a Síndrome do ninho vazio e não é para menos, filhos casam e muitas vezes o parceiro morre.

Depois de tudo, ainda a solidão?

Imagine uma pessoa que viveu uma vida de contatos familiares e atividades sociais, mas que depois de tantos anos acaba perdendo tudo isso gradativamente até o limite final. É o que acontece com a grande maioria dos idosos e não deve ser tarefa fácil encarar isso.

Mas enfim descobre-se que para reduzir esse sentimento negativo e limitar os efeitos da solidão, poucos tratamentos são efetivos, mas uma pesquisa da Universidade da Califórnia aponta para um modo simples de compensar os sentimentos de solidão: a meditação.

Meditação

O pesquisador Steve Cole afirma que com treinos simples de meditação o idoso já pode começar a sentir o efeito sobre a solidão já nos primeiros 2 meses desse tratamento e ainda mais:

  • a meditação reduz os sintomas do estresse;
  • faz com que os idosos fiquem mais atentos aos pensamentos focados no presente;
  • e passa a projetar suas ações no futuro de forma mais positiva.

Veja a conclusão do cientista:

  • “Nosso trabalho é uma das primeiras evidências científicas de que uma intervenção psicológica diminui os sentimentos de solidão assim como impactam positivamente o organismo”;
  • “O estudo traz novos dados sobre os benefícios de técnicas de meditação para a saúde física e mental. Os resultados são bastante animadores e esse tipo de intervenção pode trazer de volta a qualidade de vida que muitos idosos perdem com o tempo e com o afastamento das pessoas queridas e próximas”.

Veja a posição do Dr. Sandro Tubini (psicólogo e psicoterapeuta da capital paulista) sobre este tema,“Claro que essa descoberta é importantíssima para um sobreganho na qualidade de vida do idoso, mas a vida do idoso não pode ser composta apenas de meditação, a famíllia tem a responsabilidade cívica e moral de manter o parente idoso próximo, bem tratado e com carinho. Isto tudo chama-se: Respeito”.

Fonte

Pessoas estão vivendo mais, porém com menos qualidade

A Organização Mundial da Saúde declarou que a ideia de que os 70 anos de hoje são como os 60 de uma ou duas gerações atrás não tem base científica. Isso porque, embora as pessoas efetivamente vivam mais, não significa que sua saúde esteja melhor.

Em um amplo estudo sobre o envelhecimento, a organização considerou “equivocada” a concepção de que os idosos têm atualmente melhor saúde que a de seus pais ou avós na mesma idade.

Alguns fatores claros explicam porque o aumento dos anos de vida não pode ser atribuído a uma melhora das condições na última etapa da vida. Os maus hábitos para a saúde, como fumar, uma nutrição pobre, o consumo excessivo de álcool e a inatividade física se estendem ao longo da vida e continuam até idades avançadas.

Em consequência, os idosos sofrem cada vez mais com doenças crônicas e em muitos casos mais de uma ao mesmo tempo. Um exemplo ilustrativo é o da Alemanha, onde um quarto das pessoas entre 70 e 85 anos sofre de cinco ou mais doenças simultaneamente.

A OMS também ressalta que os idosos têm necessidades específicas e nem mesmo os países ricos contam com sistemas de atenção à saúde de longo prazo que sejam sustentáveis do ponto de vista econômico. É considerada atenção de longo prazo aquela que deve começar antes da pessoa idosa perder alguma de suas capacidades, e não quando o processo de degradação da saúde já está ativado.

A expectativa média de vida atual é de 71 anos, mas o envelhecimento deixou definitivamente de ser uma realidade de países ricos — é nos países de renda média que este fenômeno ocorre de maneira mais acelerada. Hoje, 12% da população mundial têm mais de 60 anos — esse grupo representará em meados deste século uma fatia de 22%.

Um estudo no Reino Unido mostrou, após considerar o custo da previdência, das ajudas sociais e dos serviços de saúde, que com os gastos em consumo e em outras atividades economicamente produtivas, os idosos realizam uma contribuição líquida de US$ 50 bilhões à sociedade.

FONTE

Lareira comemora o Dia Internacional do Idoso

DSC01410QUALIDADE DE VIDA – Desde 1946, a instituição Lareira – Mons. Benedicto Mario Calazans tem como missão orientar e acompanhar as famílias de um modo geral, tanto cultural, social e espiritualmente, tornando-se um espaço de convivência para a comunidade crescer no conhecimento, refletir sobre seus interesses e repensar o seu papel e o seu valor.

Instalada há 28 anos na Vila Mariana, a instituição se destaca no bairro por oferecer uma série de atividades culturais e sociais aos seus moradores. E é através do Projeto “Na Flor da Idade” que vem se destacando no bairro. E o melhor, atividades gratuitas.

DIA INTERNACIONAL DO IDOSO

Para comemorar o Dia do Idoso, celebrado no dia 1 de outubro, a Instituição em parceria com a Livraria Paulinas, está preparando uma série de atividades festivas para este mês de outubro entre elas Palestra sobre Ser Feliz na terceira idade ministrada pela Dra. Anna Anita Tarasiewicz,  exposição de  objetos de  artesanato feito pelas frequentadoras,  e apresentação de uma peça teatral no auditório da Livraria, situada no Lgo. Ana Rosa, apresentação musical, entre outras  atividades festivas como bingo,  e apresentação musical e aula de nutrição.

Confira a Programação que estará disponível no site das duas Instituições a partir do mês de outubro. As festividades estarão abertas  ao público. Site: www.lareira.org.br   /  www.paulinas.com.br

REPERTÓRIO DE CURSOS E OFICINAS

Além de diversas atividades de bem-estar voltada para a população idosa, a Lareira também possui uma vasta programação que inclui, Formação Familiar, Palestras Culturais, Cursos Livres e Atividades Espirituais para toda a família. Há também cursos gratuitos voltados para a capacitação profissional objetivando a inserção no mercado de trabalho, com destaque para as aulas de Formação para Garçons e Garçonete. Oferece também aulas de alfabetização para jovens e adultos.

SERVIÇO E INFORMAÇÕES PARA IMPRENSA

Toda a programação pode ser conferida no site www.lareira.org.br. Também é possível conhecer o local ou buscar mais informações de segunda a sexta,das 13h às 18h.A instituição encontra-se localizada na rua Áurea, 324 – Vila Mariana. Mais informações pelos telefones (11) 5572- 4138 / 5572- 3985.

Fonte: Jornal Folha da Vila

UNIFESP OFERECE VAGAS PARA VOLUNTÁRIOS COM SÍNDROME DAS PERNAS INQUIETAS

A Universidade Federal de São Paulo – Unifesp, campus da Vila Mariana oferece vagas para voluntários com Síndrome das Pernas Inquietas, os quais serão tratados com exercícios de alongamento. A Unifesp é reconhecida pelo desenvolvimento de pesquisas e estudos científicos em diversas áreas da saúde.

O Setor de Neuro-Sono da Disciplina de Neurologia da Escola Paulista de Medicina da Unifesp está pesquisando o efeito dos exercícios físicos em pacientes com Síndrome das Pernas Inquietas (SPI) como forma de tratamento não farmacológico para redução dos sintomas.

Podem participar da pesquisa homens e mulheres com idade entre 45 e 65 anos com suspeita de SPI e que não pratiquem exercícios físicos e estar disposto a ficar sem tratamento medicamentoso específico para SPI. Serão excluídos da seleção os portadores de fraturas, limitações articulares; como bursite, tendinite, luxação, artrite, artrose e outros problemas de ossos, tendões e músculos. Os pacientes serão divididos em 2 grupos com diferentes tipos de exercícios para verificar seus efeitos. Após o diagnóstico clínico, os pacientes serão incluídos no estudo.

Os interessados podem entrar em contato com Marcelo Casemiro pelo e-mail: casemiro.marcelo@gmail.com ou deverão procurar o Ambulatório de Neuro-Sono da Disciplina de Neurologia da Unifesp, situado à rua Pedro de Toledo, 650, Balcão 5, somente às quartas-feiras a partir das 13h.

Fonte: Universidade Federal de São Paulo – Unifesp
Campus São Paulo – Vila Clementino – São Paulo – SP