Presos tomam conta de idosa de 102 anos no Rio Grande do Sul

Na década de 1940, Maria Ribeiro da Silva Tavares foi voluntária no Presídio Central de Porto Alegre. Aos 24 anos, após perder o marido, a assistente social convenceu a diretoria da instituição a dar abrigo a 36 presos.

438228-970x600-1-910x562Aos primeiros detentos, Maria concedeu um privilégio antes que iniciassem o trabalho que ela conseguiu para todos em obras da prefeitura: eles poderiam visitar a família, desde que voltassem ao final da tarde. Todos voltaram.

Anos mais tarde, Maria fundou o Patronato Lima Drumond com a herança de viúva e a ajuda dos detentos, segundo reportagem do blog Brasil, da Folha de S. Paulo. Aos longo dos anos, a assistente social passou a ser protegida pelos presos: tornou-se a única autorizada por eles a entrar na cadeia para mediar rebeliões.

Maria completa 103 anos em novembro de 2014 e continua morando no local em que 63 homens – a quem chama de “anjos” – condenados por tráfico de drogas e homicídio cumprem pena em regime semiaberto.

O Patronato Lima Drumond funciona em parceria com o Estado. De acordo com a reportagem, dos 1.478 estabelecimentos penais do país, apenas 16 tem esse formato.

Matéria completa

Fonte

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s