Mediação de conflitos no divórcio

A história a seguir é verídica.

“Patricia e Miguel, um jovem casal, com apenas 4 anos de casados, têm um bebê de 10 meses.

Eles estavam imersos numa crise conjugal.

Uma noite, após terem colocado o seu bebê para dormir, começaram a discutir as questões que os atormentavam e a briga foi num crescente, a ponto  de decidirem por um rompimento do casamento.

Estavam tão agitados, nervosos e aborrecidos um com o outro, que decidiram dar uma esfriada na cabeça.

Patricia foi à casa de sua mãe e Miguel foi conversar com um amigo.

Levaram mais de uma hora ausentes  de casa, para que cada um percebesse que haviam largado o bebê sozinho em casa.

Correram para casa de volta, morrendo de preocupação com o bebê que ficou sozinho.

Parecia inconcebível para cada um deles que isso pudesse ter acontecido…”

 

Quando um casal decide casar-se, sempre existem sentimentos envolvidos, que tendem a ser amorosos e ternos.

Quando eles decidem se separar, também há sentimentos envolvidos, porém opostos:

Culpa, vergonha, sentimento de abandono ou de rejeição, perda da autoestima, preocupações com o futuro, depressão, etc…

O divórcio ou separação é um problema a ser resolvido e não um combate a ser travado!

Inicialmente precisamos nos conscientizar que, como o divórcio é  regido por emoções, ele não é apenas uma tarefa jurídica, mas faz-se indispensável  lidar com todas as emoções humanas.

No nosso sistema atual, as crianças são vistas, equivocadamente, como propriedade em vez de serem pessoas, o que as torna alvo ou arma de um ou ambos os genitores.

Todavia essas crianças são pessoas e suas necessidades e perspectivas são importantes e precisam ser reconhecidas e comtempladas, podendo falar de seus sentimentos, trazer questões que as preocupam e entender as mudanças em sua família.

Pela sua própria natureza, o processo legal é sempre adverso e focado de uma maneira unilateral.

Algumas pessoas escolhem cuidar sozinhos da separação, acreditando que não irão se meter em encrenca.

Outros, mais realistas, escolhem um mediador e deixam que ele os ajude a negociar as propriedades e a guarda de filhos.

Outras pessoas ainda, buscam a orientação de uma equipe completa multiprofissional, onde poderão receber tanto amparo e orientação legal, como econômica e principalmente lidar  com a dor da separação.

Os desentendimentos e ressentimentos de cada parte do casal podem ter uma escalada, se cada um se colocar entrincheirado em lados opostos.

O objetivo de uma mediação na terapia da familia é minimizar o conflito do divórcio (ou da separação), permitindo restabelecer o  diálogo.

A premissa é de que a resolução coordenada dos problemas  beneficiará a familia toda.

Uma equipe integrada de profissionais especialistas proporciona ferramentas e suporte necessários durante o processo de divórcio( ou separação).

O processo de aconselhamento e/ou de terapia oferece um espaço seguro para que os desacordos sejam ouvidos e discutidos.

O trabalho terapêutico, nesses casos, visa prevenir uma escalada desnecessária do conflito, bem como oferecer a cada um dos pais a ajuda necessária para que possam manter sua maternidade e paternidade responsável durante e após o divórcio.

Anna Anita Tarasiewicz

Rua Dr.Neto de Araujo 320 /806

Vila Mariana

11-5575-2152

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s